Felicidade e senso de propósito.

 

A felicidade que sempre nos pareceu algo intangível e abstrato passou a ser objeto de estudo da ciência nos últimos tempos. Não estou falando somente dos benefícios de um estado emocional positivo sobre a saúde e bem estar gerais, mas sim dos componentes que tornam uma pessoa feliz.

Inúmeros estudos tem sido publicados, com as mais diversas abordagens, tratando do assunto “felicidade”. O curso mais procurado de Harvard em 2006 era sobre Psicologia Positiva e basicamente pretendia ensinar aos alunos como se tornarem mais felizes.

Um dos elementos identificados como componente de extrema importância para a felicidade é o senso de propósito. Significa basicamente ter a clareza do “Por que eu faço o que eu faço”, ou seja, a percepção de que dedicamos o nosso tempo a algo considerado por nós significativo e satisfatório.

Talvez já tenhamos ouvido o conceito de propósito inúmeras vezes quando se fala de desenvolvimento pessoal e parece muito difícil de se praticar, considerando que os boletos continuam a vencer e por isso qualquer mudança de carreira ou ocupação deve ser bem planejada. No entanto, é possível desde já tomar a decisão de iniciar a jornada de encontrar e cumprir o propósito, pois ao pegar a estrada já estou mais perto do meu destino do que se eu não estivesse nem saído de casa, não é mesmo?

 

 

O primeiro passo para determinar qual seria o propósito a ser cumprido é conhecer, especialmente, os valores que se tem, aquilo que é importante acima de tudo, ou seja, coisas das quais não se abre mão. Depois de ter feito esta descoberta, selecionar alguns deles e priorizá-los. Quais circunstâncias, eventos e experiências nos permitem vivenciar os valores escolhidos? Este a é bússola que vai direcionar as outras decisões.

Ainda se utilizando de auto conhecimento, é o momento de identificar nossos “super poderes”, ou seja, nossos dons naturais, as habilidades e diferenciais que temos como indivíduo. Se não soubermos identificar de pronto, podemos pensar em experiências passadas, coisas que fazemos com facilidade e em elogios que recebemos com frequência.

O terceiro passo é identificar os momentos em que vivenciamos algo com paixão, momentos na vida em que tenhamos nos sentido invencíveis. Pode ter sido durante um projeto de trabalho, o cuidado com uma criança, cozinhando, ouvindo e aconselhando outras pessoas, se exercitando… Qualquer coisa, desde que possamos sentir que está no cerne de quem somos.

Os 3 passos citados, servem para dar clareza quanto às opções que temos, em busca do exercício do nosso propósito. Resta identificar se podem se tornar um negócio, uma nova profissão, um trabalho voluntário ou até mesmo algo a ocupar nossos momentos de lazer.

Além disso, podemos desde já encontrar e vivenciar o propósito em nossa ocupação atual. Trata-se de percepção, por isso, é possível encontrar satisfação e significado embutido nas tarefas do dia a dia.

Boa sorte ao trilhar o seu caminho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *